Teatro e Marionetas de Mandrágora

Teatro e Marionetas de Mandrágora

Projetos de autor que potenciam uma ampla linguagem artística e pretendem garantir a liberdade aos criativos para se desafiarem plástica e dramaturgicamente, bem como na exploração da interpretação, na exploração da arte da marioneta, do teatro de figuras e do teatro de objetos. Estas criações são o reflexo fundamental das preocupações dos seus criadores.
Decidimos por esta designação através da génese do nome que nos dá origem, a Mandrágora, uma planta que muito é associada a um certo misticismo. A raiz é também o ponto de origem da estrutura que de um modo muito multifacetado se vai a embrenhar por diversos caminhos. Somos uma equipa criativa que pondera e analisa as suas preocupações pessoais e também se coloca a diversos desafios que a levam por descobertas que cimentam a arte do teatro e mais em concreto a arte da marioneta.
21 anos depois sobressaiu à tona esta forma e figura, num processo longo de descoberta. Atravessámos criações coletivas, convidámos encenadores e demos vozes aos artistas que compõem o núcleo artístico da estrutura. Desta última consideramos que conseguimos alcançar um modo mais clarificador de indicar os potenciais caminhos e percursos de um coletivo composto por escolhas individuais.
289 | A menina que pintava pássaros

A menina que pintava pássaros

  • M.6 . 00h40
  • a liberdade conquistada é sempre apoiada naqueles que sacrificam a sua própria liberdade

156 | Aurora

Aurora

  • M.6 . 00h45
  • uma incursão poética e simbólica, onde abundam os sentimentos gerados pelas paisagens e lendas da montanha da Peneda-Gerês

126 | capucha vermelha

capucha vermelha

  • M.6 . 00h50
  • inspirado livremente no conto tradicional fixado por Perrault e depois adaptado pelos irmãos Grimm

85 | casa dos ventos

casa dos ventos

  • M.4 . 00h50
  • uma viagem de duas personagens em busca de manterem a sua forma de estar, o seu espaço de afetos e emoções num mundo em transformação

211 | Corações Rasgados

Corações Rasgados

  • M.12 . 01h00
  • uma partilha de angústias, perdas e medos num espetáculo contado no feminino

239 | Depois da Chuva

Depois da Chuva

  • M.6 . 00h55
  • uma história feita de seres humanos e destinos

269 | o Portão

o Portão

  • M.12 . 01h00
  • a narrativa da descodificação da solidão dos seres

^